Reposicionamento de marca: a importância de um logo alinhado com a identidade da empresa no presente e no futuro

reposicionamento-610x305_fc532e022ff9d20673e71ed75780d9a7
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Por definição, “logotipo” é uma expressão derivada de duas palavras gregas que juntas podem ser traduzidas como “significado da figura”. De fato, na publicidade e no marketing, as empresas desenvolvem suas identidades visuais baseadas em letras ou imagens, sempre com o objetivo de serem reconhecidas pelos clientes através delas. Mas, depois de ser criada e estar consolidada no mercado, é possível atualizar essa identidade sem perder o impacto visual de reconhecimento que ela já gerava?

Assim como as pessoas, marcas crescem, amadurecem, e por vezes ficam desconectadas com a identidade visual que tinham no início. Um exemplo prático disso é o Instagram. Quando foi criado, em 2010, o aplicativo era representado pela imagem de uma pequena câmera, que remete àquelas de fotos instantâneas, já que essa é a finalidade da ferramenta em que os usuários postam imagens que podem ser editadas manualmente ou através de filtros. Seis anos depois, a rede social (que hoje acumula mais de 1 bilhão de usuários e não para de crescer), se reinventou e passou a ser representava por um ícone do mesmo tamanho, também com as bordas arredondadas, ainda com elementos que lembram uma câmera fotográfica, mas com a cor completamente diferente.

Nessa mudança, o objetivo era modernizar a marca para acompanhar as mudanças que ela tinha alcançado durante a trajetória, o que aconteceu de forma natural e “sem traumas”, já que a essência de ser um aplicativo de fotografia foi mantida e os usuários entenderam a atualização.

Outro exemplo é o banco Bradesco, que no ano passado também alterou seu logo. A empresa se apresentava da mesma forma desde 2012 e com as novas ferramentas digitais disponibilizadas pelo gigante, era preciso fazer com que sua “cara” estivesse alinhada à modernidade pregada em suas propagandas. As alterações foram minimalistas, como o alinhamento de dois traços, representando a relação entre a instituição e os clientes, e na tipografia, onde a letra “b” passou a ser usada em caixa baixa.

Em grandes ou pequenas mudanças durante esse processo, é fundamental que os elementos pelos quais a marca já é conhecida permaneçam, mas estejam presentes de forma mais moderna, alinhados inclusive com o que a empresa busca se tornar no futuro. Ao criar uma nova identidade, a empresa desenvolve uma nova forma de comunicação com seu público-alvo. Qual mensagem ela busca passar? Outro ponto importante é contar a esse público que
você mudou e os motivos que levaram a marca até aquele formato.

O reposicionamento de uma marca no mercado pode acontecer de muitas formas, avaliando diversos cenários, mas precisa ser realizada com segurança. Toda mudança, sobretudo envolvendo identidade, causa insegurança, mas é preciso se transformar para atingir mais pessoas e alcançar novos lugares.

Pamela Cadamuro

Compartilhe:

Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Estratégias para sua empresa se diferenciar e continuar na ativa durante a crise.